02/04/2014

A morte não é tudo

A morte não é tudo.
Não é o final. 
Eu apenas passei para a sala seguinte.
 Nada aconteceu. 
Tudo permanece exatamente como foi,
 Eu sou eu, você é você, e a antiga vida que vivemos tão maravilhosamente juntos permanece intocada, imutável. 
O que quer que tenhamos sido um para o outro, ainda somos. 
Chame-me pelo antigo apelido familiar.
 Fale de mim da maneira que sempre fez.
 Não mude o tom. 
Não use nenhum ar solene ou de dor. 
Ria como sempre fizemos das piadas que desfrutamos juntos. 
Brinque, sorria, pense em mim, rez por mim. 
Deixe que o meu nome seja uma palavra 
comum em casa, como foi. 
Faça com que seja falado sem esforço, 
sem fantasma ou sombra. 
A vida continua a ter o significado que sempre teve. 
Existe uma continuidade absoluta e inquebrável. 
O que é esta morte senão um acidente desprezível? 
Porque ficarei esquecido se estiver fora do alcance da visão? 
Estou simplesmente à sua espera, como num intervalo, bem próximo, na outra esquina. 
Está tudo bem!

De: Celma 
Para: Olímpio Teixeira .
13/05/1952  25/03/2014


0 comentários:

Previous Post Next Post Back to Top